Buscamos profissionais para atuar junto ao negocio de nosso clientes internos e externos, em uma das melhores consultorias Altassian Platinum Solution Partner no Brasil com mais de 10 anos de experiência em projeto de consultoria, sempre agregando valor aos negócios de nosso clientes. 

Somos uma empresa 100% aderente ao Home Office e garantimos todas as condições para que o seu talento possa ser desempenhado da melhor maneira em conjunto com nossa equipe de especialistas.

Procuramos Analista de Processos para vestir a camisa com o nosso time, atuando junto aos clientes internos, levantando e traduzindo requisitos, liderando projetos internos, mapeando processos, realizando diagnósticos e sugerindo melhorias nas operações das áreas, objetivando a automatização de processos e indicadores de alta performance para as áreas da organização. 

Esperamos de nossos candidatos a pró-atividade, agilidade e olhar crítico para agregar valor aos negócios de nossos clientes internos, suportando e aconselhando na melhoria dos seus processos, identificando gargalos, mensurando indicadores, propondo soluções inteligentes que otimizem o dia a dia das áreas. 

Responsabilidades

  • Torna-se o dono dos processos de negócios das diferentes áreas da organização (TI e não TI) 
  • Identificar e traduzir necessidades em requisitos das áreas para serem implementados nas soluções Atlassian (JIRA Software, JIRA Service Desk, Confluence e Bitbucket)
  • Mapear e documentar processos das áreas de negócio 
  • Diagnosticar e sugerir melhorias nas operações das diferentes áreas da organização  
  • Alinhar junto às áreas técnica os requisitos funcionais e homologar junto as áreas de negócios os entregáveis
  • Preparar e ministrar workshops e treinamentos para clientes e equipes internas das diferentes áreas;
  • Prezar pela qualidade e garantia da conformidade dos processos internos


O Desafio

Como Analista de Processos  você será responsável pela evolução, manutenção, aderência e qualidade. Isso exigirá ter um bom relacionamento e sensibilização dos gestores e diretores, voz ativa, dinamismo, boa comunicação, idoneidade perante ao cliente e o domínio da escrita para prover uma excelente documentação, conquistando assim o seu espaço dentro do time.

O Perfil desejado
  • Experiência anterior em analisar requisitos e propor soluções a diferentes áreas de negocio da organização
  • Experiência anterior de mapeamento de processos e soluções em uma ou mais áreas, como: CRM, RH, Sales, Financial, Application Lifecycle Management (ALM), metodologias Agile e SAFe (Scaled Agile Framework), ITIL e Gerenciamento de Serviços de TI, DevOps e Gestão de Portfólio de Projetos;
  • Mindset criativo para elaborar soluções inovadoras;
  • Experiência com levantamento e mapeamento de processos (As Is/ To Be)
  • Capacidade analítica e senso de criticidade elevado para propor o maior valor agregando ao cliente;
  • Boa compreensão do ciclo de vida de desenvolvimento de software e conhecimento das metodologias ágeis, como Scrum e Kanban;
  • Familiaridade com bases de dados e experiência SQL;
  • Familiaridade com outros sistemas de controle de origem GIT;
  • Fundamental, escrita e fala da língua inglesa;
Exigimos para a oportunidade
  • Formação em, Analise de Negócios e Processos, Sistemas de Informação, Analise de Sistemas, Ciência da Computação;
  • Possuir proficiência na língua inglesa (escrita e comunicação);
  • Conhecimentos em Excel e PowerPoint avançados;
  • Conhecimento em UML avançados;
Diferencial
  • Possuir  cursos ou certificações na área de processos e qualidade;
  • Familiaridade com os produtos Atlassian (JIRA Software, JIRA Service Desk, Confluence, Bitbucket)
  • Conhecimento em linguagem de programação, Java e Groovy.



Domínio de Tecnologia

Para assumir este espaço no nosso time é imprescindível ter vivência e domínio da Analise de Negócios e Processos

Experiências com as ferramentas CASE como Enterprise Architect, Bizagi, fluxogramas, wiki colaborativa ou outra ferramenta de modelagem de processo.

Conhecimento sobre processos

Como analisa de negócios é muito importante ter o domínio e conhecimentos em coisas como modelagem de processos, modelagem de dados, padrões de escrita, e coisas como Product Backlog, Sprint, Modelo de Domínio, Feature, TDD, FDD, Prototipação Visual, Priorização de demandas.

E claro, domínio da escrita de bons Casos de Uso.

Línguas

Português excelente para leitura, escrita e conversação é essencial.

Domínio da língua inglesa é fundamental para nosso time.

Os benefícios oferecidos

Dito isso, abaixo nossa contraparte para quem assumir esse desafio e vestir a camisa do nosso time, são:

  • Salário compatível com a função;
  • Trabalho em Home Office;
  • Auxilio para manter e montar estrutura para trabalho remoto
  • Disponibilidade semanal para atividades de P&D;
  • Programa de indicação premiada;
  • Incentivo e bônus por certificação;
  • Custeio de 100% do valor para fazer as certificações;
  • Auxilio plano de saúde / vale refeição para contratação CLT
  • Auxílio idiomas/cursos/treinamentos/Universidade para contratação CLT
Interessado mesmo?

Se você acha que tem bala na agulha para assumir esse desafio e acredita nos nossos valores , então envie email para rh@3layer.com.br informando o título da vaga, sua pretensão salarial (CLT mensal ou PJ hora) e o seu CV anexo.

Na sequência, poderemos entrar em contato com você para uma conversa aqui na empresa e quem sabe encararmos esse desafio juntos (wink)


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


A Oportunidade

Buscamos profissionais para trabalhar junto com nosso time de especialistas Atlassian, em uma das consultorias Atlassian Platinum Solution Partner no Brasil com mais de 10 anos de experiência em projetos Atlassian, sempre agregando valor aos negócios de nossos clientes. 

Somos uma empresa 100% aderente ao Home Office e garantimos todas as condições para que o seu talento possa ser desempenhado da melhor maneira em conjunto com nossa equipe de especialistas Platinum. 

Procuramos um Analista de Soluções Atlassian para vestir a camisa com o nosso time, atuando em clientes de todo o Brasil. 
Esperamos de nossos candidatos a pro-atividade e agilidade para agregar valor aos negócios de nossos clientes, suportando e aconselhando na melhor forma de utilizar o gerenciamento de serviços de TI (ITSM), gerenciamento de portfolios e projetos, gestão de conteúdos e base de conhecimento, KPIS e OKRs e metodologias Ágeis e ALM.  

Responsabilidades

  • Analisar requisitos de negocio com os clientes  e recomendar as melhores soluções técnicas;
  • Identificar melhorias nos processos existentes do cliente e recomendar melhorias de soluções técnicas adequadas;
  • Preparar e ministrar workshops e treinamentos para clientes e equipes internas;
  • Preparar e apoiar em apresentações técnicas e demonstração de produtos para clientes e times internos, apresentações via webinars, agendas remotas ou presenciais.  
  • Avaliar e desenvolver configurações e customizações necessárias nos produtos Atlassian, como JIRA Software, JIRA Servide Deks, Confluence e Apps do MarketPlace para melhorar os processos dos nosso clientes;
  • Prestar suporte, configurar, atualizar e personalizar os produtos Atlassian;
  • Solucionar problemas e erros de aplicação de depuração e problemas de desempenho na soluções do ALM Atlassian;
  • Garantir o nível de satisfação das soluções entregues aos clientes
  • Colaborar com as documentações e alimentação da base de conhecimento interna para fortalecer e distribuir o conhecimento com a equipe.

O desafio

Como Analista de Solução Atlassian com vivência na customização e configuração da plataforma Atlassian, o seu grande desafio vai ser agregar ao nosso time a sua perspicácia e conhecimento em soluções para os projetos e suporte Atlassian.

Será responsável por atuar junto aos nossos clientes mapeando as suas necessidades, identificando os seus problemas e aplicando as melhores soluções para as necessidades relatadas por eles. Isso exigirá dinamismo, boa comunicação, idoneidade perante ao cliente e o domínio da escrita para prover uma excelente documentação.

O perfil desejado

Procuramos pessoas com desejo nato de crescimento profissional, que sejam empreendedoras, objetivas, dinâmicas, que tenham um excelente relacionamento interpessoal, que sejam autodidatas, proativas, dedicadas, sinceras e responsáveis.

Além, claro, das seguintes habilidades e experiências:

  • Mais de 1 ano de experiência em analisar requisitos e propor soluções a clientes mesmo que seja interno na própria empresa que trabalha;
  • Experiência anterior de implementação de soluções técnicas em uma ou mais áreas, como: Application Lifecycle Management (ALM), metodologias Agile e SAFe (Scaled Agile Framework), ITIL e Gerenciamento de Serviços de TI,
    DevOps e Gestão de Portfólio de Projetos;
  • Capacidade de trabalhar em mais de um projeto ao mesmo tempo, agregando alto valor ao cliente;
  • Experiência na condução projetos que melhorem os processos de eficiência e de desenvolvimento de softwares operacionais;
  • Boa compreensão do ciclo de vida de desenvolvimento de software e conhecimento das metodologias ágeis, como Scrum e Kanban;
  • Boa compreensão de Application Lifecycle Management (ALM);
  • Conhecimento em ITIL e capacidade de melhorar processos operacionais de TI e mudança de unidade;
  • Excelente comunicação, capacidade analítica e habilidades criativas de resolução de problemas;
  • Familiaridade com bases de dados e experiência SQL;
  • Familiaridade com outros sistemas de controle de origem GIT, SVN;
  • Habilidades de inglês para consumir materiais de treinamento;
Exigimos para a oportunidade
  • Bacharel em Ciência da Computação, Engenharia de Software, Sistemas de Informação, Analise de Sistemas;
  • Experiência com os produtos Atlassian (JIRA Software, JIRA Service Desk, Confluence, Bitbucket);
  • Disponibilidade para viajar.


Diferencial
  • Possuir uma ou mais certificação da Atlassian;
  • Possuir uma mais certificações em metodologias como Agile, Safe, ITIL
  • Possuir proficiência na língua inglesa (escrita e comunicação)
O domínio de Tecnologias

Para assumir este espaço no nosso time é imprescindível ter vivência e domínio sobre a plataforma Atlassian.

Experiências com as ferramentas CASE Enterprise Architect, Bizagi ou outra ferramenta de modelagem de processo, além de conhecimento em linguagem de programação, Java e Groovy, serão um diferencial.

Nossos projetos com Atlassian englobam toda a sua suíte dos produtos, bem como a utilização de plugins integrados. Por essa razão, conhecer como configurar e integrar os principais plugins do mercado Atlassian é de suma importância.

Conhecimento sobre processos

Então, é importante estar ligado em coisas como: Product Backlog, Sprint, Modelo de Domínio, Feature, TDD, DDD, Prototipação Visual, Priorização de demandas.

E claro, domínio da escrita de bons Casos de Uso.

Línguas

Português excelente para leitura, escrita e conversação é essencial.

Mas o conhecimento da língua inglesa é um bom diferencial para nosso time, pois poderá ajudar em vários outros processos.

Os benefícios oferecidos

Dito isso, abaixo nossa contra-parte para quem assumir esse desafio e vestir a camisa do nosso time, são:

  • Salário compatível com a função;
  • Trabalho em Clientes pelo Brasil e Home Office;
  • Auxilio para manter e montar estrutura para trabalho remoto
  • Disponibilidade semanal para atividades de P&D;
  • Programa de indicação premiada;
  • Incentivo e bônus por certificação;
  • Custeio de 100% do valor para fazer as certificações;
  • Auxilio Plano de Saúde e Auxilio vale refeição para contratação CLT
  • Auxílio idiomas/cursos/treinamentos/Universidade para contratação CLT


Interessado mesmo?

Se você acha que tem bala na agulha para assumir esse desafio e acredita nos nossos valores , então envie e-mail para rh@3layer.com.br informando o título da vaga, sua pretensão salarial (CLT mensal ou PJ hora) e o seu CV anexo.

Na sequência, poderemos entrar em contato com você para uma conversa aqui na empresa e quem sabe encararmos esse desafio juntos (wink)


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


No post de hoje, eu vou abordar um dos artigos mais importantes da Lei Geral de Proteção de Dados e que vai impactar diretamente o controlador, quando o mesmo estiver adequando os processos da sua empresa à lei. Mas, caso você se identifique como um operador, não deixe de ler esse artigo até o final, pois a responsabilidade também se estende a você!

OS 10 PRINCÍPIOS NO TRATAMENTO DE DADOS SENSÍVEIS

O tratamento de dados sensíveis deve ser o mais transparente e justo possível. Além disso, os dados devem ser de fácil acesso aos titulares e devem estar em uma linguagem que não gere dúvidas ou a impressão de estarem sendo usados para finalidades escusas.
E o cumprimento desses requisitos consiste na adoção das práticas corretas de observação de boa-fé, as quais estão direcionados os princípios dos tratamentos de dados pessoais da LGPD.
Segundo o artigo 6º da LGPD, as atividades de tratamento de dados deverão observar estes 10 princípios:

  1. FINALIDADE: diz respeito ao propósito do tratamento de dados, o motivo pelo qual a empresa está coletando aquele dado. A empresa está coletando os dados para um propósito específico, explícito e de conhecimento do titular?
    Esse princípio significa que a empresa deverá explicar ao titular qual a destinação para cada dado coletado e este destino deve se resumir apenas à transação comercial que está sendo feita, não podendo ser usado posteriormente de forma incompatível à essa finalidade e sem novo consentimento.
  2. ADEQUAÇÃO: compatibilidade do uso da informação com aquela informada ao titular. Isso significa que, se o titular consentiu o uso para formação de uma proposta, esses dados não poderão ser usados para envio de propagandas de marketing.
  3. NECESSIDADE: limitação do tratamento de dados ao mínimo necessário. Isso significa que o uso dos dados para uma finalidade na qual não foi requerido, sofrerá punição. Ou seja, se os dados foram coletados para redação de um contrato, o seu tratamento deve se limitar a isso.
  4. LIVRE ACESSO: garantia de livre acesso à consulta dos dados pelos titulares. Esse acesso deve ser de forma gratuita e o controlador deverá especificar para qual finalidade os dados foram utilizados e qual será o tratamento dado a eles após o seu uso. O controlador deverá especificar, também, por quanto tempo os dados serão mantidos e por qual motivo.
  5. QUALIDADE DOS DADOS: garantir aos titulares que os dados serão coletados com exatidão e clareza e que os dados serão tratados de acordo com a necessidade especificada. Os titulares também terão direito de solicitar atualização de seus dados a qualquer momento, durante o ciclo de vida informado a eles.
  6. TRANSPARÊNCIA: garantir ao titular o direito de receber informações claras, precisas e de fácil acesso sobre os seus dados, sempre que ele solicitar, observando os segredos do negócio.
  7. SEGURANÇA: os meios que serão utilizados pela organização, tanto por tecnologias, quanto por adequações de processos, para manter a segurança dos dados pessoais de acessos não autorizados e de situações acidentais ou ilícitas de perdas, alterações, destruições, comunicações ou difusões dos dados.
  8. PREVENÇÃO: as medidas que serão adotadas pela organização para prevenir que não ocorram vazamentos dos dados tratados, ou que os dados sejam utilizados fora dos princípios adotados, ou que possam ser usados de forma que prejudiquem os titulares.
  9. NÃO DISCRIMINAÇÃO: o uso dos dados pessoais para fins que discriminem os titulares, seja por sua religião, origem étnica, posicionamento político, questões relativas à saúde, ou qualquer outra questão relativa ao artigo 5º da LGPD, serão punidos.
  10. RESPONSABILIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS: a organização deve demonstrar que adota medidas eficazes de observância e cumprimento à LGPD, bem como consegue comprovar a eficácia das medidas adotadas. Ou seja, a organização deve demonstrar toda sua boa-fé, seguindo os artigos da Lei.

Como vimos, a própria LGPD dá o direcionamento para que os agentes consigam seguir os seus preceitos. No entanto, cabe à organização adotar os meios de como fazer a adequação, quais serão as melhores práticas, as tecnologias utilizadas, os processos e padrões

Então, se você está se perguntando por onde começar aí na sua empresa, inicie entendendo bem estes princípios e se os dados que vocês utilizam já seguem uma ou mais dessas práticas.


Se você curtiu este artigo, ficou com dúvidas ou tem sugestões sobre boas práticas de adequação da LGPD na empresa, o nosso canal de comunicação é: dpo@3layer.com.br

Cezandra Soares
DPO


Fonte: Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Acesso disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13709.htm


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


Buscamos profissional para atuar em projetos Atlassian atendendo nossos clientes pelo Brasil. É necessário ter conhecimentos em CI/CD, vivência especializada na customização e configuração de planos de build e deploy em ferramentas como Jenkins ou Bamboo, bem como conhecimentos nos principais produtos Atlassian.

Principais responsabilidades:

  • Envolver-se com clientes em trabalhos de consultoria envolvendo produtos Atlassian, como Bamboo, Bitbucket, Jira Software e Confluence;
  • Avaliar e desenvolver as configurações e customizações necessárias em nos pipelines de build e deploy do software Bamboo integrado com Bitbucket e Jira da Atlassian. Solucionar problemas e erros de aplicação de depuração e problemas de desempenho;
  • Ter uma forte cultura de serviço voltada ao cliente, dentro da equipe que opera diariamente, com uma forte atitude e proatividade e Cultura DevOps e Entrega Contínua;
  • Atuar nos procedimentos de instalação, tuning, configuração dos softwares Jira, Confluence, Crowd e Bitbucket nas versões Server e Data Center, software Bamboo na versão Server e demais produtos da suite ALM da Atlassian

O desafio

Buscamos uma pessoa com experiencia em configuração e gestão de planos de Builds e Planos de Deploy de ferramentas com Jenkins, Bamboo entre outras. Conhecimentos de médio a avançado do sistema operacional Linux, linguagens de scripts (Bash, Python, Powershell), bom conhecimento de SQL e Banco de Dados. 

Você será responsável na 3layer Tecnologia pela manutenção e configuração de pipelines de Build, planos de Deploy tanto internamente como em projetos de consultoria que atuamos em nossos clientes. Será responsável pela instalação, upgrade de versão, troubleshooting, resolver problemas de performance e configuração das ferramentas da Atlassian tanto nos ambientes interno como em ambientes de nossos clientes de consultoria e/ou suporte.

O perfil desejado

Procuramos pessoas com desejo nato de crescimento profissional, que sejam empreendedoras, objetivas, dinâmicas, que tenham um excelente relacionamento interpessoal, que sejam autodidatas, proativas, dedicadas, sinceras e responsáveis.

Além, claro, das seguintes habilidades e experiências:

  • Mais de 1 ano de experiência em configuração de esteiras DevOps a clientes mesmo que seja interno na própria empresa que trabalhou;
  • Boa compreensão do ciclo de vida de desenvolvimento de software e conhecimento das metodologias ágeis, como Scrum e Kanban;
  • Boa compreensão de Application Lifecycle Management (ALM);
  • Conhecimento em ITIL e capacidade de melhorar processos operacionais de TI e mudança de unidade;
  • Excelente comunicação, capacidade analítica e habilidades criativas de resolução de problemas;
  • Bons conhecimentos com banco de dados e experiência em SQL;
  • Domínio sobre sistemas de controle de versão GIT e SVN.
  • Domínio do sistema operacional Linux, conhecimento dos principais protocolos de rede e comunicação entre servidores e esquipamentos de TI;
  • Experiência em configuração e tuning de Tomcat e da JVM para fazer tuning da JVM buscando melhoria de performance conforme necessidade de um determinado ambiente;
  • Domino do uso de SSH com uso de funções avançada como a configuração de tunnel;
  • Conhecimento de linguagem de programação Java nem que seja o básico para entender como uma aplicação Java funciona e conseguir resolver problemas relacionados ao Java mais rapidamente;

Exigimos para oportunidade

  • Bacharel em Ciência da Computação, Engenharia de Software ou Sistemas de Informação(pode estar em formação);
  • Experiência com configuração de esteiras DevOps;
  • Bons Conhecimentos de Linux, protocolos de rede e Banco de Dados;
  • Alguma linguagem de script (Bash, Python, Powershell);
  • Experiência com git;
  • Experiência com Continuous Integration e Continuous Delivery (CI/CD);
  • Disponibilidade para viajar quando necessário atender projetos de forma presencial.

Diferencial

  • Experiência e/ou conhecimento nas ferramentas Jira, Bitbucket ou Bamboo da Atlassian;
  • Ter configurado esteiras DevOps usando Bamboo, Bitbucket e Jira;
  • Ser uma pessoal que gosta de desafios e solucionar novos problemas visando sempre produzir algo novo;
  • Que tenha tranquilidade e discernimento para entender e solucionar problemas;
  • Alguma experiência em desenvolvimento (Python, Node.js, Java);
  • Sistemas de alta performance e tuning;
  • Experiência com containers (Docker);
  • Possuir uma ou mais certificação da Atlassian;
  • Outras certificações (se ainda não possuir, estar disposto e apto a fazer pelo menos duas em 2020/2021):
    • ACP-400 Jira Service Desk Administration;
    • ACP-600 Project Administration in Jira Server

O domínio de tecnologias

Para assumir este espaço no nosso time é imprescindível ter vivência e domínio sobre esteira DevOps independente das ferramentas utilizadas.

Experiências em ferramentas como: GIT, Tomcat, Linux, linguagens de scripts (Bash, Python, Powershell), SQL e Banco de Dados, além de conhecimento em linguagem de programação, Java e Groovy, serão um diferencial.

Nossos projetos com Atlassian englobam toda a sua suíte dos produtos, bem como a utilização de plugins integrados. Por essa razão, conhecer como configurar e integrar os principais plugins do mercado Atlassian é de suma importância.

Conhecimento sobre processos

Então, é importante estar ligado em coisas como: Product Backlog, Sprint, DevOps, ITIL e SAFe.

E claro, domínio da escrita de documentação, procedimento operacionais.

Línguas

Português excelente para leitura, escrita e conversação é essencial.

Inglês intermediário no mínimo.

Os benefícios oferecidos

  • Salário compatível com a função;
  • Trabalho em Home Office e em Clientes pelo Brasil nos projetos que exigem ser presencial (custos de viagens quando necessário totalmente custeados pela empresa);
  • Disponibilidade semanal para atividades de P&D;
  • Programa de indicação premiada;
  • Incentivo e bônus por certificação;
  • Custeio de 100% do valor para fazer as certificações;
  • Auxílio idiomas/cursos/treinamentos/Universidade para contratação
  • Vale refeição e plano de saúde/odontológico

Formato da Contratação

Trabalhamos com contratos CLT

Interessado mesmo?

Se você acha que tem bala na agulha para assumir esse desafio e acredita nos nossos valores , então envie email para rh@3layer.com.br informando o título da vaga, sua pretensão salarial (CLT mensal) e o seu CV em anexo.

Na sequência, poderemos entrar em contato com você para uma conversa e quem sabe encararmos esse desafio juntos (wink)


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


No último artigo publicado, falamos sobre como nós podemos identificar se estamos utilizando dados pessoais sensíveis ou não nas nossas atividades. Hoje, vamos fazer uma reflexão sobre qual é o nosso papel nesse contexto da LGPD.

Entender qual é o seu papel em relação aos dados sensíveis que você está processando nas suas atividades, é de suma importância para que você consiga dar o tratamento adequado aos dados que você utiliza e para que possa garantir que o ciclo de vida das informações estejam em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados.

De acordo com o artigo 5º da LGPD, as obrigações de cada agente durante o processo de tratamento dos dados sensíveis poderão variar se for:

  • TITULAR: pessoa natural a quem se referem os dados pessoais que serão tratados. Exemplo: o cliente
  • CONTROLADOR: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, a quem competem as decisões referentes ao tratamento dos dados pessoais. Exemplo: a empresa que coleta dados do seu cliente para cadastro.
  • OPERADOR: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, que realiza tratamento de dados pessoais em nome do controlador.
    Exemplo: o colaborador da empresa que preenche o cadastro do cliente ou utiliza os dados coletados nas suas atividades de trabalho.

O Controlador assume um nível maior de responsabilidade e caberá a ele adequar todos os processos da sua organização para que atendam os artigos da lei.

O Operador assume a responsabilidade de cumprir as medidas de proteção de dados impostas pelo Controlador.

No entanto, Controlador e Operador são responsáveis pelo tratamento correto dos dados dos Titulares perante a Lei e responderão de forma solidária em um processo de inconformidade ou de vazamento de dados, caso este se confirme por falha de ambas as partes.

Proteção de dados é um assunto sério, por essa razão você deve reservar um tempo para analisar e refletir sobre os dados sensíveis que transitam pelas suas atividades todos os dias e para qual propósito você os utiliza. Dessa forma, você terá condições de entender melhor qual é o seu papel neste contexto e poderá apoiar a sua organização no processo de adequação e fiscalização do uso de dados sensíveis de acordo com a LGPD.

Lembre-se: garantir a proteção e a conformidade dos dados é um dever de todos!


Se você curtiu esse artigo, ficou com dúvidas ou tem sugestões sobre a adequação da LGPD na empresa, o nosso canal de comunicação é dpo@3layer.com.br

Um grande abraço e cuide dos dados pessoais do seu cliente como se fossem os seus!(big grin)


Cezandra Soares
DPO


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


E A TAL DA LGPD?

Em algum momento, desde que começou a pandemia, você deve ter se feito essa pergunta aí na sua empresa, não é mesmo? E agora sou eu que te faço uma pergunta: você lembra o que é a LGPD? Para quê ela serve? É capaz de responder prontamente a qualquer um que lhe questione? Pois bem, eu venho aqui para te relembrar o que é a LGPD, qual seu objetivo e te informar que ela está mais viva do que nunca! Apesar do Corona...

A Lei Geral de Proteção de Dados (Lei nº 13.709), tem como principal objetivo garantir transparência no uso dos dados das pessoas físicas em quaisquer meios.

Mas e daí?! E daí que ela afeta qualquer pessoa física ou jurídica que realize atividade que utilize dados pessoais sensíveis. Ou seja, ela afeta a todos nós que em algum momento das nossas atividades de trabalho seremos responsáveis por dados sensíveis de alguém.

E dados sensíveis, segundo a LGPD, não são apenas dados simples como um nome ou um número de CPF, eles podem incluir outros dados como um endereço IP, identificador de cookies ou outros fatores.

MAS COMO SABER SE ESTOU USANDO DADOS SENSÍVEIS?

Se você estiver processando informações em uma atividade, que lhe permitam identificar um indivíduo diretamente a partir dessas informações, então você está processando dados sensíveis.

Se você estiver processando informações em uma atividade, que não lhe permitam identificar diretamente um indivíduo a partir das informações processadas, ainda assim, você precisará verificar se o indivíduo é IDENTIFICÁVEL. Ou seja, uma imagem, um áudio, ou vídeo que em conjunto com outros dados permitam a identificação desse indivíduo serão considerados dados sensíveis.

É possível que as mesmas informações que você está processando sejam consideradas dados sensíveis (perante à LGPD) em algumas atividades e em outras não, tudo vai depender do propósito de uso desses dados. 

Mas isso já é assunto para uma próxima vez!

Como minha empresa pode monitorar e controlar dados sensíveis?

Este é uma das partes mais difíceis e para auxiliá-lo nesta árdua tarefa nós da 3layer Tecnologia somos representantes e parceiros da ManageEngine no Brasil e implantamos e customizamos as mais de noventa ferramentas oferecidas disponíveis e boa parte delas, como a Log360, vão ajudar e muito a TI, DPO e outras áreas da sua empresa a monitorar e controlar a circulação de informações sensíveis dentro da sua empresa de uma forma estruturada, rastreável e automatizada.

Para saber mais como podemos ajuda-lo na parte tecnológica para a adesão à LGPD ser menos trabalhosa e traumática possível na sua empresa entre em contato com nosso comercial.


Se você curtiu esse artigo, ficou com dúvidas ou tem sugestões sobre a adequação da LGPD na empresa, o nosso canal de comunicação é dpo@3layer.com.br

Um grande abraço e cuide dos dados pessoais do seu cliente como se fossem os seus!


Fonte: Texto escrito pela nossa DPO, Cezandra Soares.


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


  

Poder compartilhar conteúdos da sua área de interesse, fácil acesso à documentação da organização, maior engajamento e comunicação com mais agilidade com outros colaboradores são apenas alguns dos benefícios da intranet social em uma organização. Esse post falará sobre isso, além de contar um breve histórico de como foi a evolução da intranet social desde sua criação até aqui. Embarque nessa leitura com a gente!

  

O que é Intranet Social?

Dentro de uma organização, a comunicação possui um papel fundamental na atuação profissional de cada colaborador, bem como para a saúde da organização como um todo. Uma empresa está em constante comunicação com seus colaboradores, clientes, outras empresas e assim por diante. E quando estamos falando da comunicação interna de uma empresa, nos referimos principalmente aos fluxos de informações que percorrem os diversos níveis hierárquicos, como elas são repassadas, armazenadas e contribuem para o sucesso do negócio.

Na era da tecnologia, uma das formas de se comunicar na empresa é através do meio digital, sendo então a Intranet responsável por isso. A intranet é uma rede exclusiva e fechada, uma versão privada da internet e sua função é compartilhar informações internas com seus colaboradores. Estas informações por sua vez podem ser sobre a organização, processos, produtos e clientes.

Mas para saber onde estamos com a Intranet hoje, é interessante saber de onde ela surgiu e como evolui até esse momento. Vamos lá?

A história de vida da Intranet Social

A intranet em seu início era centrada em conteúdos massivos e hoje atua centrando-se nas pessoas e instigando que todos gerem conteúdo e assim mantenham-se engajados e produtivos. Embora a sua função continue a mesma, desde que surgiu, quase nada permanece igual. Apresentamos abaixo uma classificação em 5 estágios de evolução:

1 Intranet informativa

No princípio, em meados de 1996, o conteúdo era publicado apenas por quem tinha permissão. O conteúdo muitas vezes era massante e desinteressante, não era pensado para o coletivo, o que levava à desconexão e falta de interesse dos colaboradores.  

2 Intranet de serviços

No segundo estágio, a função da intranet passou a colaborar não apenas com cunho informativo, mas também para o fluxo de trabalho. A intranet se tornou uma ferramenta que ajuda no processo de transitar com documentos, informações e tarefas de um colaborador para outro, em um conjunto de procedimentos.

3 Portal corporativo 

Já nos anos 2000, empresa e colaboradores começam a ter maior proximidade. O layout também começa a ser trabalhado nessa fase, tornando-se mais atrativo e pensado para a usabilidade dos usuários.

4 Intranet 2.0 

Com a chegada da web 2.0 (principalmente da mudança na forma como o conteúdo é produzido e visto), o conteúdo da intranet torna-se mais dinâmico, interativo e com grande foco na produção colaborativa. A intranet 2.0, portanto, é a intranet inserida nesse conceito de web 2.0. A ferramenta nessa etapa passa também a ser utilizada para a aplicação do conceito de trabalho realizado em times com foco no aumento da produtividade e geração de resultados mais positivos.

5 Intranet social 

O que temos até hoje! As chamadas Intranets sociais são um conjunto de ferramentas de interação social integradas, onde o conteúdo torna-se cada vez mais colaborativo e não hierárquico. Com isso, todos se beneficiam com trocas de informações entre colaboradores, formando assim uma grande rede de conhecimento colaborativo. Esse ambiente colaborativo e de maior engajamento trouxe diversos benefícios ou vantagens, que apresentamos logo abaixo!

Quais as principais vantagens da Intranet Social

  • Maior colaboração entre todos da organização: não existe um sistema de governança como na intranet tradicional e todos podem dar sua opinião e ser ouvidos;
  • Veiculação ágil de notícias: todos tem acesso a comunicação mais rapidamente por ser um meio digital, um canal que unifica o contato dos colaboradores;
  • Colaboradores bem informados: colaboradores bem informados se tornam mais motivados e a motivação é uma ótima ferramenta para que todos se sintam mais satisfeitos com a empresa onde trabalham;
  • Maior engajamento: o engajamento encoraja o colaborar a se sentir parte da equipe, vestindo a camisa da empresa. Se torna um embaixador da marca e não apenas um simples colaborador.


Agora que vimos um pouco do histórico da intranet, onde se encontra atualmente e algumas das vantagens de se ter uma intranet social, falaremos no próximo post sobre alguns exemplos de como incorporar na organização essa importante ferramenta de colaboração. Fique junto com a gente e acompanhe nossos conteúdos.

Até a próxima! (big grin)


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais 


Neste segundo post da série, vamos ver características do novo algoritmo de schedule do Portfolio for Jira 3.0 e como usar isso para criarmos cronogramas confiáveis em poucos segundos após termos as atividades. Caso tenha caído de paraquedas por aqui, não deixe de conferir nosso primeiro blog sobre o assunto aqui. E fique até o final, pois iremos falar também do webinário, que fechará essa série de conteúdos incríveis sobre o Portfolio for Jira. Agora, vamos ao que interessa!

Portfolio for Jira

O Portfolio for Jira 3.x possui um schedule que considera vários detalhes das tarefas, para criar automaticamente uma linha do tempo sensata do trabalho que é relevante para você. Com o schedule, é mais fácil identificar gargalos - isso permite que você lide com esses problemas em potencial antes mesmo que eles ocorram. Por mais prático que o agendador possa ser, você realmente não vê como isso funciona no seu trabalho de schedule. Por fim, você recebe apenas o cronograma resultante.

Com experiência e conhecimento do produto ou projeto que você esteja planejando desenvolver, agendamentos do cronograma podem ser modificados, por exemplo uma tarefa deve ser agendada antes do que foi planejado pelo schedule do Portfolio for Jira. Para isso basta você alterar as datas de inicio e fim para determinadas tarefas, alterando o que o schedule sugeriu para você.

Na nova interface melhorada do Portfolio for Jira 3.x, podemos arrastar e soltar rapidamente a posição de uma tarefa na linha do tempo, para agendar seu trabalho alterando data de início e fim. Agora vamos ver como fica o planejamento dessas tarefas na prática.

Planejamento de tarefas

Podemos agendar tarefas definindo a duração delas diretamente na sua linha do tempo, ou definindo datas de inicio e fim para estas tarefas no plano.


  1. Barra de agendamento de uma tarefa, que você pode usar para agendar a data de início e fim do trabalho

  2. Datas de destino vazias das tarefas, que você pode definir para agendar a duração do trabalho

Planejamento de tarefas filhas

Ao agendar uma tarefa filha, as datas de início e término destas tarefas são encaixadas dentro das datas da tarefa pai. Exemplo: a data de início de uma tarefa pai é setada para a data de início mais antiga das tarefas filhas, a data final é definida pela tarefa mais recente de todas as tarefas filhas.

Planejamento de tarefas conforme sprints

Devemos observar que as regras deste tópico se aplicam apenas as tarefas originárias de Boards Scrum e quando estas tarefas são atribuídas a times Scrum.

Os times Scrum trabalham em Sprints (interações) e liberam funcionalidades de forma incremental no final de cada Sprint. Quando um time e uma Sprint estão associadas a uma tarefa, podemos configurar o plano para usar as datas de inicio e fim da Sprint como padrão para datas de início e fim das tarefas que não definirmos nestes campos manualmente. Você pode ver pela imagem abaixo.

Portfolio for Jira

Exemplo de plano que as datas início e fim das tarefas seguem as datas da Sprint

Mesmo que uma tarefa esteja usando as datas da Sprint, ainda podemos alterar essas datas se necessário. No entanto, mesmo que as datas das tarefas não correspondam mais as datas da Sprint, isso não mudará a associação da tarefa a Sprint. As datas das Sprints também serão usadas no monitoramento das Releases e no acompanhamento das dependências entre tarefas.

Uso de Projetos ou Filtros como fonte de tarefas

Se um plano estiver usando projetos ou filtros, como por exemplo o de problemas, os dados da Sprint ainda serão exibidos nas tarefas correspondentes. No entanto, como os dados de uma Sprint estão associados somente ao Board, estas Sprints são exibidas com external sprint ao lado delas, onde esta informação indica que a Sprint não está diretamente associada ao projeto e filtro de tarefas. Veja pelo print abaixo.

Portfolio for Jira

No exemplo acima o plano foi criado com o projeto Aplicativo IOS como origem das tarefas. No Jira Software o projeto IOS App possui um Board Scrum, neste Board a Sprint Koala esta ativa e dura 2 semanas. Quando criamos um plano usando o projeto IOS App como fonte de tarefas, temos o seguinte comportamento no plano:

  • O Portfolio for Jira não pode associar nenhum dado da Sprint vinculada às tarefas do Plano, por isso ele criará uma equipe específica para o plano de nome IOS App (IOS). Esta equipe é apenas local para o plano criado. Exatamente por isso que vamos ver as tarefas atribuídas a um time externo - o time IOS App (IOS);
  • Também por causa do uso do Projeto como fonte de dados, o Portfolio exibirá a sprint Koala como uma sprint externa;
  • Por estes motivos é altamente recomendável que usemos Boards como fontes de tarefa em nosso planos que envolvam Scrum, pois isso permitirá que o Portfolio for Jira associe os dados da Sprint as tarefas do plano e estas Sprints não serão mais exibidas como externas.

Portfolio for Jira

Uso do planejamento automático

Antes de falarmos um pouco sobre agendamento automático, ou auto-scheduling, no Portfolio for Jira, é importante observarmos algumas diferenças no uso deste recurso comparado a versão anterior.

TécnicaLive plans (versions 2.0 to 2.27)Portfolio 3.x
Planejamento de
Tarefas não estimadas
Se uma tarefa não estimada for atribuído
a uma Release, o schedule usará as datas
da Release para agendá-la por padrão
Por padrão o Schedule usa as datas de meta (Target dates)
para agendar as tarefas não estimadas.
Para tarefas não estimadas atribuídas a uma Sprint, Release ou
Time os valores para os campos (Target dates) persistirão independentes
das configurações de auto schedule definidas.

Sprints, teams e releases

Podem ser ignoradas por tarefas explicitamente
setadas
Podem ser ignoradas no auto schedule, dependendo de como as configurações
de auto schedule forem definidas.
Número máximo de pessoas
associadas a uma tarefa
Você pode configurar quantas pessoas
podem ser atribuídas a uma tarefa.
Somente uma (1) pessoa pode ser designada a uma tarefa.
Time Zone do PlanoDepende de como está configurado no plano.
As opções disponíveis incluem o fuso horário
do plano, o fuso horário do sistema ou
o horário universal coordenado (UTC).
O UTC é usado para todos os casos.
Data de início, atribuições
de recursos, estágios e skills
Tudo isso é levado em consideração
quando as tarefas são calculados.
Esses detalhes não estão mais disponíveis na interface do
Portfolio 3.x e não têm impacto quando as tarefas
são agendadas automaticamente.
Data de ingresso no recurso,
datas de saída e disponibilidades
Tudo isso é levado em consideração
quando os problemas são calculados.
Esses detalhes não estão mais disponíveis na interface do
Portfolio 3.x e não têm impacto quando as tarefas
são agendadas automaticamente.
Auto-scheduling de ProgramasO cálculo de cada plano é agregado ao
nível do programa.
O cronograma do programa é derivado das datas,
sprints e lançamentos de cada plano no programa.

Auto-scheduling: melhorias na Interface

Com os aprimoramentos na nova interface você pode optar por:

  • Agendar manualmente as datas arrastando e soltando as barras de agendamento na linha do tempo;
  • Agendar automaticamente o trabalho, permitindo que o Portfolio for Jira agende o trabalho com base em detalhes definidos nas tarefas. As alterações automáticas serão exibidas em listras roxas na visualização. Podemos optar por aceitar ou não estas alterações, se aceito elas serão aplicadas no plano. Confira abaixo.

Portfolio for Jira

Com auto schedule das tarefas no plano, o Portfolio for Jira considera vários fatores para o agendamento ideal para seu time:

  • como as suas equipes trabalham, com interações de Sprint (Scrum) ou com fluxo contínuo de tarefas diárias (Kanban);
  • para equipes Scrum, as atribuições de Sprint das tarefas são no Plano;
  • a sequência das tarefas são com base nas datas de inicio de fim;
  • a ordem das tarefas no backlog;
  • as dependências entre tarefas do plano;
  • o número de membros do seu time, que determina quanto trabalho pode ser realizado de forma paralela.

Portfolio for Jira

Definindo configurações do auto-schedule

Você pode definir as seguintes configurações do auto-schedule:

  • quais campos (sprint, releases e times) podem ser substituídos por valores definidos automaticamente e como estes campos serão substituídos pelos valores gerados automaticamente: se apenas campos vazios ou todos os campos serão substituídos.

Portfolio for Jira

No exemplo acima, ao programar automaticamente seu plano, você permite que o agendador automático substitua os valores das Sprints e Releases sempre. No entanto o valor do campo dos Times podem ser substituídos somente em tarefas que não possuem Time setados.

Priorizando tarefas

Para priorizar o trabalho de suas equipes você pode mover uma tarefa para uma linha superior ou inferior na seção de escopo do seu plano. Esta ação irá mover a posição da tarefa na seção de escopo como na linha do tempo.

Portfolio for Jira

Na seção de escopo, quando você move uma tarefa com tarefas filhas, as mesmas se movem com a tarefa pai. No entanto se mover uma tarefa filha individualmente, somente ela se moverá. A classificação das tarefas filhas é independente do ranking das tarefas pai, se alterarmos o rank dos Epics, o ranking das tarefas filhas permanecerá o mesmo. Isso é útil, especialmente se suas equipes classificam suas tarefas nos Boards(Quadros) Scrum do Jira Software.

Ao programar automaticamente um plano, como você classifica as tarefas pai não terá interferência na ordem de classificação das tarefas filhas correspondentes no Rank do Jira Software.

Conclusão

Com Portfolio for Jira 3.x ficou mais simples e intuitivo o uso do auto scheduling e com ele conseguimos ter um cronograma mais assertivo baseado na capacidade e disponibilidade dos membros do time, na ordem das tarefas no plano, links de dependências, Sprints e Releases. Após ele montar o plano observando estas variáveis, podemos manualmente ajustar o agendamento de inicio e fim de determinadas tarefas conforme nossa necessidade e assertividade como conhecedores do projeto que estamos gerenciando.

Como você pôde perceber, essa segunda parte do blog foi mais técnica e por esse motivo (além de alguns a mais) nós realizamos um webinário para demonstrar na prática todo o conteúdo que foi abordado nessa série de publicações sobre o Portfolio for Jira 3.0. Para você ter acesso a esse conteúdo e ao webinário, basta clicar aqui!


Esperamos que tenha gostado desse conteúdo!


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


A Atlassian ouviu seus clientes e parceiros e aplicou significativas melhorias na versão 3.0 do Portfolio for Jira, parte dessa evolução está na interface. Mas claro, apesar de ser uma nova versão, ela manteve a compatibilidade com a interface e funcionalidades da versão anterior - 2.0 - o que permite que os planos e iniciativas de projetos sejam migrados para a nova interface.

Nesta primeira parte do conteúdo sobre o Portfolio 3.0, iremos falar sobre alguns recursos de interface, gerenciamento de times, alocação e gerenciamento de releases. Se quiser saber mais, é só embarcar com a gente!


Mas antes, um comparativo básico do Portfolio for Jira

O foco não é um comparativo de cada funcionalidade entre o Portfolio for Jira 3.0 e a versão anterior, mas para quem não conhece e nunca utilizou... vamos fazer uma breve comparação da tela principal de um plano de iniciativas de projetos, onde já conseguimos ver que o produto foi remodelado! Veja na imagem abaixo.


Acima temos a tela principal de um Plano do Portfolio for Jira 2. Esses exemplos são do projeto Team In Space, parte do ambiente de demonstração da Atlassian. A próxima tela apresenta o mesmo plano, com as mesmas iniciativas de projetos, porém com a interface do Portfolio for Jira 3.


O novo modelo favorece telas de dispositivos com a resolução widescreen, pois o gráfico agora é apresentado horizontalmente à esquerda do plano, com as colunas à direita. Note, podemos facilmente escondê-las e ter uma visão completa do gráfico, que apresenta as tarefas do plano na linha do tempo.

Portfolio for Jira


Após esse curto comparativo entre as duas versões, vamos ao que interessa de verdade: as funcionalidades disponíveis na versão 3 do Portfolio for Jira. (Enquanto escrevemos esse post, estamos na versão 3.8.0).

Portfolio for Jira 3.0 - principais funcionalidades da interface

Na versão 3 do Portfolio for Jira, o controle está em nossas mãos para criar um roteiro exatamente como imaginamos: desenvolvendo seus planos à medida que as mudanças ocorrem e compartilhando sua estratégia com os principais interessados. As tarefas podem ser filtradas por projetos, equipes, releases e vários outros atributos para aprimorar informações específicas. Os roadmaps podem ser definidos por cores e agrupados em raias para mostrar quem está envolvido no trabalho ou seu status na jornada até a entrega. E, o mais importante, os planos podem ser facilmente editados no local e, em seguida, enviados ao Jira Software quando você estiver pronto para colocá-los em construção. Tudo isso permite que você planeje o caminho que deseja e planeje o futuro das iniciativas em um mundo ágil. Dá uma olhada na animação abaixo!

Mantenha-se atualizado e responda as mudanças mais rapidamente

No Portfolio 3.0, os planos são roteiros vivos e os roadmaps respondem à mudanças. Visualize dependências entre projetos e também entre equipes para navegar proativamente em conflitos e adaptar continuamente os planos, forjando um caminho claro para ajudar sua equipe a entregar no prazo.


Uma dica para para usuários mais avançados: o Portfolio for Jira pode fazer o trabalho pesado quando se trata de construir um cronograma! Quando seu sofisticado algoritmo de agendamento é ativado usando o botão "Auto-schedule", o Portfolio levará em conta diversas variáveis, incluindo a prioridade de seu backlog, estimativas, dependências, etc, para gerar um plano em questão de segundos!

Não se preocupe, vamos explorar mais estas variáveis no próximo Post! Inclusive, se você caiu de paraquedas aqui sem se inscrever nessa websérie ou não deseja perder por nada os próximos episódios, clique aqui ! Agora vamos retomar nosso texto...


Comunique-se e compartilhe visões específicas para cada público

Uma variedade de opções de exibição permite que você compartilhe atualizações com o nível certo de detalhes feito sob medida para seu público e mantenha todos na mesma página, mesmo que os planos evoluam. E como os planos estão abertos a todos na organização - para aqueles que utilizam o Portfolio - os membros individuais da equipe podem ver como seu trabalho se conecta a iniciativas maiores, enquanto a gerência pode ver quando o trabalho está previsto para ser entregue.


Hierarquia e Filtros

No Portfolio for Jira temos a opção de restringir a visibilidade das tarefas de um plano filtrando pela hierarquia das tarefas, começando pelo primeiro nível representado pela Iniciativa do projeto e podendo chegar até o último nível, que seriam as sub-tarefas.

Por padrão temos quatro níveis:

  • Iniciativa
  • Epic
  • Tarefas
  • Sub-tarefas

O Portfolio 3.0 nos possibilita criar níveis personalizados entre Iniciativa e Epic, porém, não permite alterar os níveis entre Epic e Sub-tarefas, pois essa é a hierarquia padrão do Jira Software - produto onde as atividades dos planos serão criadas após a aprovação do início de um projeto.

Do nível da Iniciativa até o Epic podemos definir um ou mais tipo de tarefa do Jira que podem ser selecionadas no respectivo nível e posteriormente criadas em um projeto do Jira Software, Jira Service Desk ou Jira Business.

Além da hierarquia, podemos usar o menu de filtros para restringir visibilidade a determinadas tarefas do plano. Este menu possui uma gama variada de opções, tais como:

  • Issue details - filtrar por chave de uma tarefa, uma palavra qualquer sobre o campo resumo das tarefas
  • Releases - filtrar pelas versões ou entregas de cada produto/projeto do Jira ou por versões cross-product/cross-project
  • Teams - filtrar apenas tarefas de um determinado time que faz parte do plano
  • Sprints - filtrar pelas Sprints em que as tarefas que compõem o plano estão associadas no Jira Software
  • Projects - filtrar pelos projetos/produtos do Jira Software, Service Desk ou
    Business
  • Issue types - filtrar pelos tipos de tarefas que compõem a base de tarefas que alimenta o plano do Portfolio
  • Components - filtrar por componentes dos projeto/produtos do Jira que compõem o plano
  • Labels - filtrar por labels que foram usadas para "tagear" determinadas tarefas
  • Dependencies - filtrar por tipos de dependências ou se tem ou não dependência configurada na plano do Portfolio
  • Statuses - filtrar pelos Status das tarefas do Jira que compõem o plano do Portfolio
  • Warnings - filtrar por avisos em tarefas que compõem o plano do Portfolio



Gerenciando Times em seu Plano

O Portfólio for Jira permite adicionar usuários do Jira como membros da equipe em seu plano. Para cada plano, você pode criar novas equipes, escolher o método de programação e atribuir tarefas as mesmas.

A exibição de equipes mostra a lista de equipes que foram adicionadas no plano. Nesta exibição, você pode executar as seguintes tarefas.


  1. Os detalhes de uma equipe, que incluem:

    1. a origem do problema associada à equipe que pode ser um quadro, projeto ou filtro;

    2. para equipes Scrum usando estimativas de ponto de história, a velocidade da Sprint e tamanho da Sprint;
    3. para equipes Scrum usando estimativas baseadas em tempo, a capacidade semanal e a duração da iteração;
    4. para as equipes Kanban, a capacidade semanal e as horas semanais da equipe (somente para as equipes Kanban);
    5. os membros da equipe;
    6. e se uma equipe é privada ou compartilhada (Em empresas que os times são compartilhados em múltiplos projetos e gerentes o recomendado é usar times globais compartilhados);
    7. Você também pode filtrar as tarefas de uma equipe para visualizar apenas as tarefas atribuídas à equipe específica em seu roadmap.
  2. Crie um novo time para o seu plano, onde você pode torná-lo um time privado ou um time compartilhado;

  3. Gerencie detalhes e configurações dos times compartilhados enquanto mantém seu plano e seus times associados no contexto.;
  4. Outras ações como editar, excluir e tornar a equipe compartilhada também são possíveis para uma equipe.

Gerenciamento de Releases

O Portfolio for Jira carrega dinamicamente suas tarefas do Jira Software em seu plano e sugere Releases com os quais você pode trabalhar. Os dados do plano estão sempre atualizados, permitindo que você acompanhe o andamento de seus Releases e, finalmente, permitindo determinar se esses Releases serão concluídos no prazo.

Perceba que o que nos referimos como Releases no Portfolio for Jira são atribuídos como Fix versions no Jira.

A visão de Release mostra a lista de lançamentos que existem em seu plano. Nesta exibição, você pode fazer as seguintes configurações:

  1. Visualize os cross-project releases que existem no plano. Você pode usar cross-project releases para agrupar versões, datas ou marcos relacionados em vários projetos/produtos individuais. Você também pode criar cross-project releases neste espaço. Mais detalhes sobre cross-project releases:
    1. O nome de cada cross-project releases e as releases de projeto que abrangem cada cross-project releases. Clique em project releases para visualizar as entregas.
    2. A data de início e a data de lançamento de cada cross-project releases
    3. O status (no prazo ou fora do prazo) e o progresso de cada lançamento entre projetos. Você pode passar o mouse sobre a barra de progresso(Progress (issue count)) para ver o número de issues agrupados por categoria de status.
  2. Visualize os project releases que existem no plano. Você pode criar versões de projeto nesta seção, bem como visualizar os mesmos detalhes exibidos na seção de cross-project releases.
  3. Realize mais ações para uma versão:

    1. Para um project release, você pode editar seus detalhes, removê-los do plano ou adicioná-los a um cross-project releases.
    2. Para um cross-project release, você pode editar seus detalhes, excluí-los ou alinhar as datas do lançamento dos projetos.
  4. Visualize as atividades de uma versão no roadmap do seu plano ou no Jira (apenas para release de projetos).

Conclusão

Passamos pelas principais funcionalidades da interface do Portfolio for Jira 3.0, nos ajudando a entender como podemos trabalhar no planejamento e controle de nossas iniciativas de projetos dentro de um portfólio de projetos de uma determinada organização.

No segundo post vamos ver características do algoritmo de schedule e como usar isso para criarmos cronogramas confiáveis em poucos segundos após termos as atividades. Além disso, veremos algumas informações preenchidas em um determinado plano do portfolio.

Além disso, tivemos nosso encontro online para mostrar tudo na prática. Para receber todo o conteúdo dos posts mais o webinário, basta clicar aqui!

Referências: Portfolio for Jira - Documentação de referencia Top 20 questions and answers about Portfolio 3.0 Teams In Space Demo


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


  

A oportunidade

Buscamos profissional para atuar em projetos Atlassian atendendo nossos clientes pelo Brasil. É necessário ter conhecimentos em análise de processos, vivência especializada na customização e configuração da plataforma Atlassian, bem como conhecimentos nos principais produtos Atlassian.

Principais responsabilidades:

  • Envolver-se com clientes em trabalhos de consultoria envolvendo produtos Atlassian, como JIRA Software (Agile), JIRA Service Desk e Confluence;
  • Avaliar e desenvolver as configurações e customizações necessárias em JIRA para melhorar os processos de clientes, dar suporte, configurar, atualizar e personalizar os produtos Atlassian. Solucionar problemas e erros de aplicação de depuração e problemas de desempenho;
  • Ter uma forte cultura de serviço voltada ao cliente, dentro da equipe que opera diariamente, com uma forte atitude e proatividade;

O desafio

Como especialista com vivência na customização e configuração da plataforma Atlassian, o seu grande desafio vai ser agregar ao nosso time a sua perspicácia e conhecimento em soluções para os projetos Atlassian.

Será responsável por atuar junto aos nossos clientes mapeando as suas necessidades, identificando os seus problemas e aplicando as melhores soluções para as necessidades relatadas por eles. Isso exigirá dinamismo, boa comunicação, idoneidade perante ao cliente e o domínio da escrita para fazer a documentação.

O perfil desejado

Procuramos pessoas com desejo nato de crescimento profissional, que sejam empreendedoras, objetivas, dinâmicas, que tenham um excelente relacionamento interpessoal, que sejam autodidatas, proativas, dedicadas, sinceras e responsáveis.

Além, claro, das seguintes habilidades e experiências:

  • Mais de 1 ano de experiência em consultoria a clientes mesmo que seja interno na própria empresa que trabalha;
  • Boa compreensão do ciclo de vida de desenvolvimento de software e conhecimento das metodologias ágeis, como Scrum e Kanban;
  • Boa compreensão de Application Lifecycle Management (ALM);
  • Experiência na condução projetos que melhorem os processos de eficiência e de desenvolvimento de softwares operacionais;
  • Conhecimento em ITIL e capacidade de melhorar processos operacionais de TI e mudança de unidade.
  • Excelente comunicação, capacidade analítica e habilidades criativas de resolução de problemas;
  • Familiaridade com bases de dados e experiência SQL;
  • Familiaridade com outros sistemas de controle de origem GIT, SVN.

Exigimos para oportunidade

  • Bacharel em Ciência da Computação, Engenharia de Software ou Sistemas de Informação;
  • Experiência com os produtos Atlassian (JIRA Software, JIRA Service Desk, Confluence, Bitbucket);
  • Disponibilidade para viajar.

Diferencial

  • Possuir uma ou mais certificação da Atlassian;
  • Outras certificações (se ainda não possuir, estar disposto e apto a fazer pelo menos duas em 2019):
    • ACP-400 Jira Service Desk Administration
    • ACP-200 Atlassian Certified Confluence Administrator
    • ACP-100 Atlassian Certified JIRA Administrator
    • ACP-300 Atlassian Certified in agile development with JIRA software
    • ACP-600 Project Administration in Jira Server;

O domínio de tecnologias

Para assumir este espaço no nosso time é imprescindível ter vivência e domínio sobre a plataforma Atlassian.

Experiências com as ferramentas CASE Enterprise Architect, Bizagi ou outra ferramenta de modelagem de processo, além de conhecimento em linguagem de programação, Java e Groovy, serão um diferencial.

Nossos projetos com Atlassian englobam toda a sua suíte dos produtos, bem como a utilização de plugins integrados. Por essa razão, conhecer como configurar e integrar os principais plugins do mercado Atlassian é de suma importância.

Conhecimento sobre processos

Então, é importante estar ligado em coisas como: Product Backlog, Sprint, Modelo de Domínio, Feature, TDD, DDD, Prototipação Visual e Priorização de demandas.

E claro, domínio da escrita de bons Casos de Uso.

Línguas

Português excelente para leitura, escrita e conversação é essencial.

Inglês intermediário no mínimo.

Os benefícios oferecidos

  • Salário compatível com a função;
  • Trabalho em Clientes pelo Brasil e Home Office;
  • Disponibilidade semanal para atividades de P&D;
  • Programa de indicação premiada;
  • Incentivo e bônus por certificação;
  • Custeio de 100% do valor para fazer as certificações;
  • Auxílio idiomas/cursos/treinamentos/Universidade para contratação CLT

Formato da Contratação

Trabalhamos com contratos CLT ou PJ

Interessado mesmo?

Se você acha que tem bala na agulha para assumir este desafio e acredita nos nossos valores, então envie email para rh@3layer.com.br informando o título da vaga, sua pretensão salarial (CLT mensal ou PJ hora) e o seu CV anexo.

Na sequência, poderemos entrar em contato com você para uma conversa na empresa e quem sabe encararmos esse desafio juntos (wink)

A oportunidade

Buscamos profissional para atuar em projetos Atlassian atendendo nossos clientes de forma remota. É necessário ter conhecimentos em análise de processos, vivência especializada na customização e configuração dos produtos Jira, bem como conhecimentos nos principais produtos Atlassian.

Principais responsabilidades:

  • Envolver-se com clientes em trabalhos de consultoria envolvendo produtos Atlassian, como JIRA Software (Agile), JIRA Service Desk e Confluence;
  • Avaliar e desenvolver as configurações e customizações necessárias no JIRA para melhorar os processos de clientes, dar suporte, configurar e personalizar os produtos Atlassian. Solucionar problemas e erros de aplicação de depuração e problemas de desempenho;
  • Ter uma forte cultura de serviço voltada ao cliente, dentro da equipe que opera diariamente, com uma forte atitude e proatividade;

O desafio

Como especialista com vivência na customização e configuração da plataforma Atlassian, o seu grande desafio vai ser agregar ao nosso time a sua perspicácia e conhecimento em soluções para os projetos Atlassian.

Será responsável por atuar junto aos nossos clientes mapeando as suas necessidades, identificando os seus problemas e aplicando as melhores soluções para as necessidades relatadas por eles. Isso exigirá dinamismo, boa comunicação, idoneidade perante ao cliente e o domínio da escrita para fazer a documentação.

O perfil desejado

Procuramos pessoas com desejo nato de crescimento profissional, que sejam empreendedoras, objetivas, dinâmicas, que tenham um excelente relacionamento interpessoal, que sejam autodidatas, proativas, dedicadas, sinceras e responsáveis.

Além, claro, das seguintes habilidades e experiências:

  • Mais de 1 ano de experiência em atendimento a clientes no software Jira e e demais produtos da Atlassian mesmo que seja interno na própria empresa que trabalha;
  • Boa compreensão do ciclo de vida de desenvolvimento de software e conhecimento das metodologias ágeis, como Scrum e Kanban;
  • Boa compreensão de Application Lifecycle Management (ALM);
  • Experiência na condução projetos que melhorem os processos de eficiência e de desenvolvimento de softwares operacionais;
  • Conhecimento em ITIL e capacidade de melhorar processos operacionais de TI e mudança de unidade.
  • Excelente comunicação, capacidade analítica e habilidades criativas de resolução de problemas;
  • Familiaridade com bases de dados e experiência SQL;
  • Familiaridade com outros sistemas de controle de versão como GIT, SVN.

Exigimos para oportunidade

  • Bacharel em Ciência da Computação, Engenharia de Software ou Sistemas de Informação concluído ou em andamento;
  • Experiência com os produtos Atlassian (JIRA Software, JIRA Service Desk, Confluence, Bitbucket, plugins do maketplace);
  • Trabalhar em HomeOffice.

Diferencial

  • Possuir uma ou mais certificação da Atlassian;
  • Outras certificações (se ainda não possuir, estar disposto e apto a fazer pelo menos duas em 2019):
    • ACP-400 Jira Service Desk Administration
    • ACP-200 Atlassian Certified Confluence Administrator
    • ACP-100 Atlassian Certified JIRA Administrator
    • ACP-300 Atlassian Certified in agile development with JIRA software
    • ACP-600 Project Administration in Jira Server;

O domínio de tecnologias

Para assumir este espaço no nosso time é imprescindível ter vivência e domínio sobre a plataforma Atlassian.

Experiências com as ferramentas CASE Enterprise Architect, Bizagi ou outra ferramenta de modelagem de processo, além de conhecimento em linguagem de programação, Java e Groovy, serão um diferencial.

Nossos projetos com Atlassian englobam toda a sua suíte dos produtos, bem como a utilização de plugins integrados. Por essa razão, conhecer como configurar e integrar os principais plugins do mercado Atlassian é de suma importância.

Conhecimento sobre processos

Então, é importante estar ligado em coisas como: Product Backlog, Sprint, Modelo de Domínio, Feature, TDD, DDD, Prototipação Visual e Priorização de demandas.

E claro, domínio da escrita de bons Casos de Uso.

Línguas

Português excelente para leitura, escrita e conversação é essencial.

Inglês intermediário no mínimo.

Os benefícios oferecidos

  • Salário compatível com a função;
  • Trabalho Home Office;
  • Disponibilidade semanal para atividades de P&D;
  • Programa de indicação premiada;
  • Incentivo e bônus por certificação;
  • Custeio de 100% do valor para fazer as certificações;
  • Plano de saúde e odontológico para contratação CLT
  • Auxílio idiomas/cursos/treinamentos/Universidade para contratação CLT

Formato da Contratação

Trabalhamos com contratos CLT ou PJ

Interessado mesmo?

Se você acha que tem bala na agulha para assumir este desafio e acredita nos nossos valores, então envie email para rh@3layer.com.br informando o título da vaga, sua pretensão salarial (CLT mensal ou PJ hora) e o seu CV anexo.

Na sequência, poderemos entrar em contato com você para uma conversa e quem sabe encararmos esse desafio juntos (wink)


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais (wink)


  

As expectativas das ferramentas de integração contínua (CI) e entrega contínua (CD) diferem entre equipes e organizações. Projetos pequenos requerem soluções de CI / CD relativamente simples, onde a simplicidade de configuração (com alguns padrões) é a chave para o sucesso. No entanto, equipes corporativas maduras têm processos mais complexos, com centenas de milhares de testes e pipelines de liberação avançada. A configuração como código (Configuration-as-code) é uma melhoria natural para essas equipes. Mas você precisa de uma ferramenta sofisticada para suportá-la.

Mesmo quando se pensa em equipes de pequeno a médio porte, se o número de membros da equipe cresce rápido, estamos lidando com um novo problema de coordenação e organização adequada, que também afeta o mundo do CI.

O Bamboo 6, introduz o suporte para configuração como código, com Java como a linguagem preferida para definir planos de build. Nas versões atuais, os já clientes podem usar uma nova abordagem de configuração como código para implantações, usar configurações YAML (se você não estiver familiarizado com Java, que é o foco deste Post), armazenando suas configurações codificadas nos repositórios e controlando as permissões nesses repositórios.

Então, agora a questão é: como as equipes e os administradores podem aproveitar melhor todo esse poder?

Eu tenho algumas dicas e sugestões para você. A maioria é destinada a usuários do dia a dia que criam planos e implantações. Mas não feche esta guia ainda, administradores do Bamboo - você também encontrará algumas informações úteis.

1. Aprenda exportando planos e implementações existentes do Bamboo para Especificações(Specs)

Se você já tiver uma instância do Bamboo com planos e implantações, a exportação acelerará seu processo de aprendizado e tornará sua experiência de migração perfeita. É um ponto de partida perfeito se você não sabe muito sobre as especificações (Specs) do Bamboo ou a configuração como código em geral.

Verifique a documentação sobre como exportar suas configurações existentes do Bamboo para Specs. No código gerado durante a exportação, você verá como a estrutura do Bamboo é representada por várias classes Java dedicadas e chamadas de método.

Se você ainda não tem planos do Bamboo e está apenas começando sua jornada com o Bamboo, o recurso de exportação ainda pode ser útil. Primeiro de tudo, você pode tentar criar um plano por meio da interface do usuário e exportá-lo para ter uma base de código funcional. Além disso, ele pode ser usado para ajudá-lo a descobrir como configurar áreas específicas do Bamboo via código. Se você souber onde ir na interface do usuário para aplicar as alterações, mas não tiver ideia de como refletir essas alterações no mundo das especificações, tente aplicá-las no navegador e exporte sua configuração.

Observe, no entanto, que qualquer conteúdo exportado não se parecerá com o que você deseja na forma final de suas especificações. É apenas algo para começar. A especificação gerada funcionará para que possa ser imediatamente confirmada em um repositório VCS para uso com as especificações armazenadas no Repositório. A partir daí, é uma questão de melhorias de código e refatoração.

2. Teste suas especificações(Specs)!

Um dos pontos fortes das especificações Java do Bamboo é que a validação offline está disponível gratuitamente. A validação local permite que você escreva testes unitários mais significativos para seu conteúdo. Simplesmente construir seu plano ou projeto de implantação executa a maioria das verificações. Além disso, testar sua configuração traz possibilidades como consistência em toda a empresa. Testes também podem ajudá-lo a validar a compatibilidade com políticas e estruturas organizacionais.

Há, no entanto, algo que você precisa estar ciente. Como a validação local está acontecendo off-line, algumas restrições do Bamboo não serão verificadas. Não é 100% garantido que os planos que passarem nos testes serão aceitos posteriormente pelo Bamboo. No entanto, muitos erros típicos e erros de programação podem ser detectados precocemente.

Aqui está um exemplo de código para demonstrar a verificação básica da sua especificação de plano:

import com.atlassian.bamboo.specs.api.builders.plan.Plan;
import com.atlassian.bamboo.specs.api.util.EntityPropertiesBuilders;
import org.junit.Test;

public class MyPlanTest {
    @Test
    public void testMyPlan() {
        final Plan myPlan = ...;

        // if validation fails, an exception will be thrown
        EntityPropertiesBuilders.build(myPlan);
    }
}

3. Se possível, mantenha as especificações do Bamboo e seu código de construção juntos

Esta é uma grande decisão a tomar: onde armazenar as especificações da Bamboo. Meu conselho é manter o código e a definição do IC juntos, pois eles estão intimamente acoplados. Considere as especificações da Bamboo como Makefile de nível mais alto para o seu código. Suas fontes, bem como as informações “como construí-lo”, “como testá-lo adequadamente” e até “como implantá-lo” devem ser co-localizados.

Dito isso, há casos em que você deseja separar suas especificações do bamboo da sua base de origem. Para dar alguns exemplos, um repositório contendo Bamboo Specs pode operar em vários repositórios de código-fonte, e nenhum deles pode tecnicamente “possuir” a definição do pipeline de construção. Ou, é mais eficiente manter permissões para um único repositório VCS.

Em última análise, você deve procurar usar fontes e especificações juntos, mas não forçar esta premissa. Geralmente, os pipelines de construção complexa são únicos e, portanto, é difícil dizer qual opção é objetivamente melhor.

4. Extrair progressivamente a configuração de compilação comum para componentes compartilhados

Ao migrar sua infraestrutura de criação para as especificações do Bamboo, você encontrará mais e mais semelhanças de configuração em seus planos de construção e publicação. O comportamento compartilhado não precisa ser repetido e as redundâncias podem ser removidas. Esse é um dos muitos benefícios de definir seus planos usando código! Essa abordagem permite que você extraia a lógica compartilhada em classes auxiliares / utilitárias e use padrões de programação como fábricas(factories) ou métodos de fábrica(factory).

O compartilhamento de partes da configuração nos planos reduz o custo de manutenção do código. Também torna mais fácil adicionar novos conteúdos às suas especificações de build no futuro. Ambos os fatores são críticos para a infraestrutura de build escalonável.

Para dar um exemplo: a equipe de desenvolvimento da Bamboo descobriu um padrão muito comum de testar plugins no núcleo do Bamboo. As tarefas que foram executadas para cada plugin pareciam quase idênticas. Foi quando decidimos criar helpers e utilitários para eles. Atualmente, definir um plugin para ser construído e testado contra o Bamboo requer a adição de apenas algumas linhas de código, com algumas opções de configuração disponíveis. Um bug descoberto para um plugin será automaticamente corrigido para todos eles. Alterações gerais na configuração do IC? Sem problemas! Aplicado em todos planos.

Nos planos de criação (build) e teste do Bamboo, compartilhamos a lógica de tarefas, projetos, planos, capacidades, variáveis, artefatos, notificações e muito mais!

Abaixo está um exemplo de uma classe e método auxiliares. Ele se baseia em um enum para garantir que apenas versões conhecidas e disponíveis do Node.js sejam usadas por nossas construções:

/**
 * Node.js task shortcuts.
 */
public class NodeTasks {
    /**
     * Node.js executables configured on our agents.
     */
    public enum NodeExecutable {
        NODE_8("Node.js 8"),
        NODE_6("Node.js 6"),
        NODE_4("Node.js 4");

        private final String executableLabel;

        NodeExecutable(String executableLabel) {
            this.executableLabel = executableLabel;
        }
    }

    public static NpmTask npmTask(String description,
                                  String command,
                                  NodeExecutable nodeExecutable) {
        return new NpmTask()
                .description(description)
                .nodeExecutable(nodeExecutable.executableLabel)
                .command(command);
    }

    ...
}

5. Maximize o poder do Java

Isso não pode ter sido enfatizado o suficiente, mas depois que você começar a "programar" / controlar seu IC, ficará difícil imaginar como alguém poderia viver sem ele. Escrevendo uma tarefa de script? Defina-a como um recurso e verifique se ele está disponível no caminho de classe quando o código é executado. Isto lhe dará o realce e a validação da sintaxe do seu IDE. Quer garantir que todos os planos criados por alguém sejam sempre testados? Use Java reflections para testes genéricos.

Abaixo está um exemplo de nossa classe de utilitários para definir tarefas de script, com o corpo de script retirado de recursos Java:

/**
 * Script task shortcuts.
 */
public class ScriptTasks {
    /**
     * Create a script task with inline body from a classpath available resource.
     */
    public static ScriptTask scriptTaskFromResource(Class<?> acquiringClass,
                                                    String resourceName,
                                                    String description) throws IOException {
        // search for the resource on the classpath under various paths
        final URL resource = ObjectUtils.firstNonNull(
                acquiringClass.getResource(resourceName),
                acquiringClass.getResource("/" + resourceName),
                acquiringClass.getResource(acquiringClass.getSimpleName() + "/" + resourceName));

        if (resource == null) {
            throw new NullPointerException("Script body not found for " + resourceName);
        }

        try (Scanner scanner = new Scanner(resource.openStream(), StandardCharsets.UTF_8.name())) {
            final String scriptBody = scanner.useDelimiter("\\A").next();
            return new ScriptTask()
                    .description(description)
                    .inlineBody(scriptBody);
        }
    }

    ...
}

6. Compartilhe partes de sua configuração entre as equipes

Se você estiver familiarizado com a cultura de DevOps, talvez já tenha encontrado equipes dedicadas responsáveis por manter a infraestrutura de criação e liberação para um grupo de equipes de desenvolvimento. Por exemplo, um pipeline de release compartilhado pode existir e deve ser usado em toda a empresa. Independentemente do motivo (manutenção, aspectos legais, o nome dele), o Bamboo Java Specs pode ajudá-lo.

Se você pode usar ferramentas como Maven ou Gradle. Tudo o que é necessário é ter dependências de artefatos mantidos por outras equipes. Esses artefatos podem produzir ou alterar suas especificações do Java no Bamboo de qualquer forma. Muitas possibilidades incluem o compartilhamento de classes auxiliares para adicionar requisitos, tarefas, estágios, variáveis ... até mesmo o código para configurar planos e implementações inteiras pode ser comum.

Além disso, não vamos esquecer as permissões. O conteúdo compartilhado pode ajudar você a configurar corretamente o esquema de permissão para o seu CI. Os utilitários comuns podem conceder permissões corretas a usuários, grupos e funções específicos para que cada equipe não precise se preocupar com a segurança no Bamboo.

7. Construa progressivamente uma estrutura para suas especificações à medida que você escala

Para muitas equipes, essa etapa pode parecer desnecessária e pode parecer um sintoma de engenharia excessiva, e isso é totalmente compreensível. Com a abordagem de pequenos módulos criados e mantidos independentemente, sua configuração de CI nunca vair exceder o tamanho para exigir uma camada adicional sobre o conjunto de ferramentas fornecido.

Mas imagine que você esteja construindo e testando um produto grande. O que você faria se precisasse testar centenas de dependências e opções de configuração? Vários sistemas operacionais, sistemas de gerenciamento de banco de dados, versões de bibliotecas… Manter uma matriz de construção multidimensional pode lhe dar dores de cabeça.

Quanto mais planos você tem, e quanto mais tempo leva para organizar suas especificações em um todo logicamente consistente, mais surge a necessidade de uma nova camada de abstração. Isso é o que eu chamo de "framework". Um pouco de inversão de controle, alguma lógica de processamento adicional, o que melhor lhe convier. Essa abordagem, na minha opinião, leva o aspecto de configuração como código do seu CI para um novo patamar. Paradoxalmente, você pode achar mais fácil controlar seu CI com “inversão de controle” no lugar.

Para dar um exemplo: a equipe de desenvolvimento do Bamboo, ao definir os planos que constroem e testam o Bamboo, surgiu com um conceito de “grupo de trabalho”. Grupos de trabalho ... bem, logicamente, agrupe os trabalhos relacionados uns com os outros (por exemplo, um grupo de tarefas que criam e testam plug-ins empacotados com o Bamboo). Os grupos de trabalho são definidos em um nível abstrato e não estão vinculados diretamente a nenhum "plano" de build.

Em um certo ponto, o framework entra em ação, o que combina grupos de trabalho em planos. Acionadores, repositórios e configurações de notificação são validados e mesclados para formar uma definição completa do plano. Grupos de trabalho definidos desta maneira podem ser passados entre planos de acordo com nossas necessidades mais livremente. Em um certo ponto, isso nos permitiu mesclar muitos planos (demais ...) juntos e simplificar uma configuração de CI excessivamente complexa.

"Configuration-as-code" tornou muito mais fácil mover blocos de construção, e é por isso que eu encorajo você a experimentar nesta área se quiser.

8. Use especificações armazenadas no repositório para log de auditoria refinado e controle de acesso delegado

Se você configurar as especificações do Bamboo armazenadas no repositório, descobrirá muitas melhorias de disponibilidade disponíveis para sua configuração de CI*.

Para melhorar a rastreabilidade, configure as especificações armazenadas no repositório como a interação principal da sua equipe com a Bamboo. Você pode restringir possíveis maneiras de os usuários alterarem os planos do Bamboo, não permitindo o acesso à UI para eles, deixando as especificações(Specs) do Bamboo como a única opção. Independentemente de como isso soa ruim, simplifica imediatamente muitas coisas, incluindo o gerenciamento de permissões do Bamboo. A acessibilidade pode ser controlada no nível do repositório (ou seja, somente usuários autorizados a submeter alterações ao repositório de Specs podem efetivamente fazer alterações no Bamboo), enquanto no próprio Bamboo apenas alguns esquemas de permissão precisam ser configurados (por exemplo, quais repositórios terão acesso a quais componentes do Bamboo).

Somente a mudança acima lhe dará o benefício de um log de auditoria alternativo e claro - via o histórico de commits do seu repositório. Além disso, com as especificações armazenadas no repositório em vigor, você pode configurar seu host VCS para permitir somente mudanças através de pull requests aprovados, para ter ainda mais controle sobre o conteúdo do Bamboo. Nunca mais se preocupe com modificações indesejadas e não detectadas em seu pipeline de CI / CD!

* Seguir esta rota significa que você perderá o acesso ao mecanismo de aprendizado sugerido na "Dica 1", acima. Por isso, recomendo ser razoável com limitações.

Configuração-como-código para a vitória

Se você nunca tentou configurar seu CI/CD via código-fonte, pode parecer um pouco estranho no começo. É uma questão de exploração e familiaridade suficientes para começar a otimizar sua configuração de CI para manutenção e escalabilidade. Espero que as dicas que eu forneci ajudem você a trabalhar mais rápido. Se você tiver experiência com configuração como código, espero que as dicas aqui trarão ao menos algumas novas ideias para melhorar seu pipeline de CI e a base de código de especificações.

A equipe de desenvolvimento do Bamboo aprendeu muito em todo o processo de desenvolvimento das especificações de Java do Bamboo. Temos migrado constantemente nosso próprio canal de desenvolvimento para o Specs, o que nos deu uma ótima oportunidade de aprender e melhorar (com um loop de feedback bastante rápido!). É por isso que acredito que as lições que aprendemos ajudarão você em sua jornada com o Bamboo.

Se o gerenciamento do seu pipeline de entrega contínua com configuração como código parece bom, espere até ver tudo o que o Bamboo tem a oferecer.


Conheça mais sobre o Bamboo


Fonte: How to win at CI with configuration-as-code and Bamboo Specs


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais 


  

Confluence e JIRA Software são como bacon e ovos, Simon e Garfunkel, vinho e queijo. Separados, são bons. Juntos eles são muito bons. De fato, mais da metade das equipes do JIRA Software já utilizam o Confluence como complemento do JIRA e seu conjunto de ferramentas de desenvolvimento ágil.

Existem várias boas razões para adicionar Confluence ao JIRA Software, mas aqui estão cinco delas:

  

1. Um lugar único para toda a documentação

Toneladas de trabalho entram em um projeto de software, requisitos de produtos, planos de projeto, documentação técnica, especificações de projeto notas de reunião de sprint...a lista é quase infinita. Enquanto JIRA é grande em ajudar a sua equipe a planejar e controlar todo o trabalho que vai em seu software, Confluence lhe dará um único lugar para organizar todo o conteúdo adicional que é criado ao longo do caminho.

Confluence elimina a necessidade de armazenar documentação em vários locais como unidades compartilhadas ou pastas Word. Com o Confluence, você pode organizar sua documentação em espaços para cada um de seus projetos ou equipes e vincular esses espaços aos seus projetos relacionados no JIRA.

Cada espaço tem uma hierarquia de conteúdo que faz sentido, além de espaços acessíveis a qualquer pessoa da equipe. Isso significa que sua equipe sempre saberá exatamente onde procurar quando precisar de algo. Além disso, integrar novos membros será mais fácil, porque toda documentação histórica está lá.

2. Quebra as barreiras de comunicação


Ao desenvolver um software, encontrar um consenso nem sempre é tão fácil. Especialmente quando se trata de decisões técnicas ou requisitos do produto. Com muitas partes envolvidas, a velocidade, transparência e qualidade torna-se cada vez mais difícil. Esta dificuldade é ampliada quando os membros da equipe são sugados para debater questões por e-mail, onde informações valiosas são "enterradas" e o contexto é perdido.

Confluence mantém sua equipe na mesma página - Literalmente! Com os modelos de requisitos prontos para usar, você pode reunir suas necessidades da equipe usando o editor colaborativo e negociar detalhes com as partes interessadas usando comentários in-line. Quando você concorda com os requisitos finais, fica fácil converte-los em issues no JIRA com apenas alguns cliques diretamente do Confluence. Em vez de colaborar com mockups de design em uma ferramenta, tarefas de desenvolvimento em outra, e stories em outra, você pode trazer todo esse trabalho para o Confluence.


3. Mantenha você (e seu processo) avançando

Enquanto o JIRA garante que sua equipe tenha fluxos de trabalho padronizados para manter sua equipe e processos funcionando sem problemas, o Confluence ajuda a manter sua equipe alinhada ao longo do caminho.

A maioria das equipes ágeis passa por quatro etapas principais ao desenvolver software. Veja como você pode usar integrações entre JIRA e Confluence para fazer a transição entre eles sem problemas.

  • Define (Definir) - Padronizar os requisitos do produto no Confluence e acompanha e gerencia as alterações à medida que elas evoluem ao longo do tempo.
  • Plan (Planejar) - Transforme os requisitos em stories no JIRA, com um único clique para iniciar o desenvolvimento, mantendo a rastreabilidade de volta às suas necessidades.
  • Release (Lançamento) - Crie e documente decisões técnicas no Confluence e publique notas de lançamento (release notes) automatizadas e altere logs que refletem no JIRA.
  • Improve (Melhore) - Reflita e melhore seu processo executando retrospectivas com um template no Confluence de como foram suas Sprints.

Em cada etapa você tem rastreabilidade em todo o seu trabalho e documentação adequada para quando necessário.

4. Reduza a mudança de contexto Otimizando tempo


Confluence ajuda a manter sua equipe produtiva. O Confluence incorpora automaticamente os novos problemas do JIRA e nos seus documentos de requisitos relacionados, por isso é fácil para seus gerentes de produto manter-se atualizados sobre o andamento do trabalho em equipe de desenvolvimento sendo rastreado no JIRA.

Por outro lado, seus requisitos e outras páginas do Confluence são automaticamente vinculados a seus epic e issues no JIRA, para que os desenvolvedores possam obter todo o contexto de que necessitam sem quebrar seu fluxo.

Não importa em qual ferramenta você utiliza, você tem o contexto do que está trabalhando, e rastreabilidade total. Isso significa menos dores de cabeça ao acompanhar tudo e uma maior eficiência para sua equipe, dia após dia.


5. Forneça visibilidade em seus projetos de software

Ninguém quer gastar seu tempo constantemente relatando o status de seu projeto de software. Os modelos de relatórios no JIRA facilitam a criação de relatórios destinados a essa finalidade no Confluence pelas equipes de desenvolvimento que detalham seus últimos lançamentos rastreados no JIRA. Você pode criar um relatório de status dinâmico que mostra o andamento da versão atual, ou um log de mudanças estático, que exibe o que foi alterado entre as versões mais recentes.

Esses relatórios personalizáveis permitem dar as partes interessadas um instantâneo report do progresso da equipe de desenvolvimento, com apenas alguns cliques.


Juntos, JIRA e Confluence, obviamente oferecem uma solução poderosa, perfeitamente integrada para o seu próximo projeto de software. Juntos, eles podem ajudar suas equipes de desenvolvimento a trabalhar mais rápido, comunicar de forma mais eficaz e manter a documentação organizada e facilmente acessível.


Gostou do post? Compartilhe e siga nossas Redes Sociais